Telefônica, cansei.

12 08 2011

Estou tendo incríveis problemas com a Telefônica há mais de 60 dias e estou extremamente frustrado e desgastado. Resolvi escrever tudo isso aqui para que fique registrado essa minha enorme insatisfação com essa empresa e o pouco caso que eles fazem com seus clientes. A linha telefônica desta casa existe desde que os números de telefone tinham SEIS DÍGITOS. Nem sete, muito menos oito, como é hoje. Mas SEIS. Se isso não é ser cliente há tempo suficiente para receber uma atenção um pouco mais especial, eu não sei o que é. Mas vamos aos fatos, um pouco resumidos, parte por ser tarde da noite e parte por eu não me lembrar de tudo, após tantas ligações.

Tudo começou na primeira semana de Junho/2011 quando minha conexão caiu. Nada totalmente estranho, acontece com todo mundo, então não dei muita importância. Alguns minutos depois, tudo estava normal. Entretanto, na segunda semana de Junho minha conexão caiu novamente, e dessa vez, várias vezes durante a semana. Comecei a me preocupar, algo não estava certo. Liguei para o número 103 15, explicando meu problema. No meio da ligação, a conexão volta ao normal. Agradeci pela atenção e desliguei, esperando que fosse apenas algo temporário. Grande engano.

Na terceira semana de Junho já não consigo uma conexão estável por mais de 5 minutos. Estava na semana de apresentação do meu TCC, uma completa correria. Sou obrigado  a fazer um tethering com meu celular para poder enviar um simples e-mail com a minha apresentação, já que minha conexão resolveu não colaborar, o que já me deixou levemente irritado. Como não sou um usuário leigo qualquer, resolvi realizar uma bateria de testes para identificar qual a origem do problema. Poderia ser alguma coisa desde o modem do Speedy, passando pelo cabo que vai até o roteador, pela placa de entrada do meu roteador, pelo roteador em si, pela saída, pelo cabo que liga o roteador no meu computador e até mesmo a minha própria placa de rede. Então, fui por eliminatória:

  1. Em primeiro lugar, retirei o meu roteador e conectei o meu computador diretamente ao modem do Speedy. Ainda sem conexão, conclui-se que o roteador e seus cabos não eram o problema.
  2. Tentei acessar a configuração interna do modem, mas o navegador não obteve resposta. Uso outro navegador e nada. Minha placa de rede está configurada para usar IP dinâmico (o modem do Speedy tem um servidor DHCP) e não estou usando Proxy. Pode ser problema no cabo de rede.
  3. Troco o cabo de rede, o problema persiste. Não é esse o problema.
  4. Pode ser que minha placa de rede tenha queimado, então resolvo conectar o modem do Speedy diretamente à outros dois notebooks. Nenhum deles consegue conexão, muito menos acessar a configuração interna do modem.
  5. Só sobrou uma opção: o problema é o modem do Speedy. Mas eu quero ter certeza disso.
  6. Reseto o modem, e crio uma conexão PPPoE manualmente no Windows. Nada.
  7. Vou para a casa de um parente, crio uma conta em outro provedor de internet.
  8. Novamente em casa, crio outra conexão PPPoE utilizando os novos dados de login. Nada acontece.
  9. Tenho 100% de certeza de que o problema é o modem do Speedy.

Resolvo, então, ligar novamente para o número 103 15, e explicar novamente meu problema. A atendente me pede para realizar todos os procedimentos acima mais uma vez, afinal, é o tal “protocolo” deles. Mesmo avisando que eu já fiz tudo o que ela estava me dizendo, faço tudo mais uma vez de bom grado até. Naturalmente, nada funciona. Misteriosamente, a linha cai. Frustado, vou dormir.

Poucos dias depois, ainda na terceira semana de Junho, viajo para São Paulo para voltar só no começo do mês de Agosto. Na capital, não adianta eu querer resolver o problema do Speedy, já que não estou fisicamente no local para realizar (mais uma vez) os testes que os atendentes me passam. Felizmente, lá eu conto com uma conexão excelente da NET, que eu até faço questão de escrever aqui o seguinte:

A NET É INFINITAMENTE MAIS EFICIENTE DO QUE A TELEFÔNICA EM TODOS OS SENTIDOS.

Deixo até um apelo para que os serviços da NET cheguem logo até Lins, interior do estado de São Paulo, onde estou. Não vou pensar duas vezes para assinar o serviço com eles.

Contudo, minha família ainda contava com a internet aqui no interior. Poucos dias depois da minha ida, eles ligaram novamente para o número 103 15, explicando mais uma vez todo o problema até que, finalmente, algum atendente resolveu solicitar a troca do modem. Um novo modem iria chegar aqui em até 5 dias úteis. Isso foi dia 23/06/2011. E esperamos.

E esperamos.

E esperamos mais um pouco, com toda boa paciência que alguém pode ter.

No dia 01/08/2011 eu voltei de São Paulo. Continuava sem internet, e modem nenhum tinha chego. Já nervoso, voltei a ligar para o número 103 15, e então ocorreu um dos fatos mais absurdos dessa minha interminável luta. A senhorita atendente me diz que não pode resolver o meu problema e não vai me dar suporte pois eu estou utilizando um modem proveniente de terceiros.

“De terceiros”, ela disse.

Disse que isso não era possível, já que foi a própria Telefônica que me enviou o modem. A atendente continuou negando.

Pedi pra ela aguardar no telefone.

Já faz cinco anos que eu guardo todo e qualquer tipo de caixa ou embalagem que eu compro ou recebo, afinal nunca se sabe quando você precisará delas novamente. Pois então, peguei a caixa do modem do Speedy, com o adesivo da Telefônica estampado na frente e o envelope com o logotipo da “TGESTIONA LOGÍSTICA” escrito “Operação Transporte Speedy” no verso e com o número do pedido devidamente impresso em uma etiqueta: 196787457.

E eu faço QUESTÃO de publicar uma foto dessa caixa, pois eu já não AGUENTO MAIS ser acusado de estar utilizando “um modem de terceiros”. Eu quero ver Telefônica alguma dizer que não enviou esse modem para a minha casa.

1 | 2 | 3 (clique nos números)

Pouco depois de eu ler o número do pedido para a atendente mais ignorante que eu já vi em toda a minha vida (já que ela basicamente não acreditava que eu estava com a caixa na minha mão), a linha misteriosamente caiu. Mas é claro, o que mais eu poderia esperar de uma empresa extremamente cretina, sem-vergonha, hipócrita e desonesta como a Telefônica? Mas eu não vou ficar sem modem. Ah, não vou.

Ligo mais uma vez. Depois de muita luta e de explicar tudo pela milionésima vez, a outra atendente diz que um novo modem chegará em até 3 dias úteis.

Nunca chegou.

Ligaram novamente. Prometeram em mais 3 dias úteis.

Nunca chegou.

Me ligaram no celular, perguntaram se o modem chegou. Disse que não. Mais 3 dias.

Nunca chegou.

Ligaram novamente. E agora aconteceu o segundo fato mais absurdo dessa história. Me ligaram perguntando, mais uma vez, se o modem chegou. Ao dizer que não, escuto a atendente dizer que, no sábado dia 06/08, conversou no telefone com a minha avó e que ela disse que o modem havia chegado e que ainda assinou um canhoto que dizia que ela recebeu. Quero deixar bem claro aqui que isso é uma grande MENTIRA, pois eu mesmo não saí de casa nesse dia e telefone nenhum tocou, muito menos algum modem chegou. Se isso é verdade, que me mostrem essa assinatura! Ou pelo menos tenham a decência de dizer que não entregaram.

Agora, estão me ligando no celular todos os dias de manhã perguntando se o modem, finalmente, chegou. Pacientemente, respondo sempre a mesma coisa: não.

Honestamente, Telefônica, eu estou cansado. Eu quero responder “sim” da próxima vez que vocês ligarem, eu realmente quero. Mas vocês precisam me ajudar. Eu estou sendo incrivelmente paciente até agora, calmamente esperando por um modem que eu torço para chegar. Parei de ligar e encher o saco de vocês. Estou só esperando. Mas a verdade é que a minha paciência esgotou, e quem me conhece sabe que ela é bem grande. Mas vocês conseguiram acabar com ela em pouco mais de 60 dias. Não ameacei desistir do serviço de vocês, não ameacei reclamar em lugar nenhum, mas parece que se eu não fizer isso vou continuar esperando por um modem que nunca vai chegar. Então eu lhes digo:

Da próxima vez que vocês me ligarem, eu também irei gravar a ligação, assim como vocês. Irei explicar toda a minha frustração mais uma vez, com a máxima paciência que eu conseguir. E eu vou exigir um modem novo na porta da minha casa em até 24 horas ou eu juro por tudo o que é mais sagrado nesse mundo, eu vou entrar com uma ação contra vocês no PROCON. Vocês já tiveram tempo mais do que o suficiente. Eu não aguento mais.

Está falado.

Atualiação 12/08/2011: Hoje de manhã, mais uma vez, ligaram no meu celular perguntando sobre a situação. Ao dizer que não chegou nada ainda, o atendente fez (mais uma) solicitação para um técnico da Telefônica levar o modem em casa, não dependendo mais da transportadora, mas levaria mais 3 dias. Porém, como eu sou conhecido do técnico que trabalha nessa região, e sei que ele trabalha honesta e corretamente, resolvi topar e esperar.

Duas horas depois, meu modem foi trocado.

Finalmente.





De volta. De novo.

5 12 2010

Sim, eu sei, já faz um tempo que eu não escrevo nada aqui. Honestamente, eu não sei porque eu parei. Poderia dar aquela clássica desculpa de “Estava sem tempo” mas eu estaria mentindo. Tempo eu tinha, sim. Faltou um pouco de vontade mesmo. Nunca fui de ficar escrevendo em blogs, e a maioria dos que eu já tive foram pro saco justamente por falta de atualização. Mas eu não escrevia neles da mesma maneira que eu escrevo nesse aqui. Existem várias pessoas que gostam dos textos que eu escrevo aqui e essas pessoas também me pediram para voltar a escrever. Então, por elas, vou tentar voltar a escrever aqui.

Eu pensei seriamente em voltar a escrever aqui na época da eleição, tamanha quantidade de absurdos que eu via e lia por aí. Minha namorada sabe o quanto eu ficava revoltado com certas coisas e o quanto eu procurei me informar nessa última eleição. Eu sei muito bem do que estou falando e não sou nenhum ignorante qualquer. Ignorante é aquele que por mais que você prove de mil maneiras diferentes que determinada situação não está certa, ele continua insistindo na mesma ideia. Qualquer um que tivesse feito um mínimo de pesquisa decente e indiferente saberia qual era a melhor opção. Mas a maioria não sabe o que é ser indiferente, então acaba fazendo sua “pesquisa” baseada em um só lado da moeda. Mas não estou aqui para falar de política. Apesar de que eu precisava desabafar.

Tem muitas coisas que eu queria desabafar, na verdade. Desde a última postagem muitas coisas aconteceram, afinal, passaram-se meses. Durante esses meses eu percebi quem realmente eram meus amigos e quem realmente se preocupa com os outros. Eu acho que nunca pensei que poderia sentir tanta raiva de alguém como eu senti aquele dia. Ver uma pessoa que você ama se rebaixar por causa de um otário que não soube crescer o suficiente e que, literalmente, está disposto a trocar anos de amizade por um motivo completamente idiota e desnecessário, é uma das piores sensações que eu já experimentei. Isso só prova duas coisas: 1) que essa pessoa nunca terá sucesso na vida e sempre será uma sombra de outra pessoa e 2) que você está melhor na vida sem ela ao seu lado. O que ele fez eu acho imperdoável, mas eu não desejo mal pra ninguém. Ele pode ser feliz o quanto ele quiser. Longe de mim.

Tem muito mais histórias, boas e ruins, esperando para serem contadas. Mas se eu sair contando tudo isso aqui vai acabar virando um post de desabafo. Aliás, virou já, então acho melhor eu parar… Perdoem-me, mas esse post de reestréia não foi nada divertido, mas às vezes é preciso. Nem só de flores é feita a vida. Prometo trazer algum assunto mais “normal” da próxima vez. E também prometo que isso não vai levar meses.





Covardia

5 02 2009

Normalmente, quando se tem um problema com uma pessoa, a melhor maneira de se resolver isso é justamente tendo uma conversa com essa pessoa. Mas, claro, isso não é o que acontece normalmente.

Pessoas fofocam. Fofocas criam pontos negativos numa pessoa. Pontos negativos geram os “defeitos” de alguém. Esses defeitos criam reclamações. E as reclamações prejudicam uma pessoa profissionalmente.

Eu estou, desde os 3 anos de idade, frequentando salas de aula, e não parei desde então. Já mudei de sala, mudei de escola, mudei até de cidade. Traduzindo: já vi muitos professores, alguns dos quais eu achei rabugentos. Sempre preferi os professores mais alegres e descontraídos.

Eu sou alegre e descontraído.

Quando percebi que iria me tornar um professor, a minha primeira meta foi não me tornar um desses professores rabugentos, de mal com a vida. Quem vê pensa que eles são obrigados (por falta de opção) a irem dar aulas para pagar as contas e que não gostam do que fazem.

Eu gosto do que eu faço.

Quem me conheçe sabe que eu gosto de ajudar as pessoas, independentemente do que seja. Ao dar aulas, eu sinto que estou ajudando essas pessoas em alguma coisa, eu sinto que estou passando algo de útil pra elas, eu sinto que estou fazendo a minha parte para ajudar no desenvolvimento disso que chamamos de mundo.

Eu me sinto feliz dando aulas.

Nas aulas eu faço piadas, desenhos, diagramas, palhaçadas. Eu uso e abuso de variedade, afinal é um curso extra-curricular, você precisa prender a atenção das pessoas. Algumas delas talvez estejam lá por obrigação, porque “a mãe mandou fazer”, e são essas pessoas principalmente que você não pode deixar escapar e cair no mundo do tédio.

Também existe respeito dentro da sala de aula. Claro, você pode usar a Internet e ver seus e-mails na aula, contanto que não abuse e faça os exercícios propostos. Esse é o acordo verbal feito no começo de cada turma que eu tenho. Se alguém desobedecer, eu vou chamar a atenção dela: a pessoa se toca e se comporta. Sempre funcionou e desde que eu comecei a dar aulas, nunca precisei levantar a voz pra ninguém.

Mas alguém não gostou.

Uma pessoa contou pra mãe o meu estilo de aula. A mãe, cabeça fechada do jeito que é, achou um absurdo e disse que a filha não está aprendendo nada com o curso. Claro, isso chegou aos meus ouvidos. “Impossível”, eu pensei, afinal ela era a melhor aluna da sala e passava com 10 em tudo! Como pode uma pessoa que não está aprendendo nada passar com 10 de média? Muito pelo contrário, ela sabe fazer tudo!

Naturalmente, a minha opinião de nada valeu, e a mãe obrigou a escola a trocar o professor do curso, ou ela trancaria a matrícula da filha. Como sempre, o dinheiro fala mais alto, e trocaram o professor.

Sem me avisar.

Me ligam hoje, faltando uma hora pra aula começar, e me avisam de tudo isso. Não quiseram nem ouvir a minha versão da história. Não fiquei triste nem com raiva de ninguém de lá, mas o que me deixou nervoso foi o fato de decidirem o que iriam fazer sem nem querer escutar a minha opinião – a opinião do professor que dava aula pra essa turma.

Eu costumava olhar pra essa aluna com orgulho, vendo que ela era uma pessoa dedicada e que se interessava pela matéria. Agora, o único olhar que eu tenho é de desprezo.

Mas esse não é o fim da história. Os restante dos alunos dessa turma não são apenas alunos… São amigos. E, naturalmente, eles não gostaram da troca do professor. Vão reclamar e vão ameaçar, eu tenho certeza, conheço eles, vão me querer de volta.





Essa passou perto…

29 10 2008

Estou na faculdade segurando uma raiva e acabei de ler esse post do meu grande e fiel amigo Ariel. Caiu como uma luva e então resolvi compartilhar aqui mesmo com todo mundo. A raiva vai passar, é temporário, depois eu desabafo com alguém. Abraços…

A péssima mania de achar que é Deus

Faz algum tempo que não disserto algumas idéias intrínsecas no meu mundinho chamado mente. Confesso que as idéias andam fugindo de mim nesses últimos tempos. Talvez por causa do trabalho. Talvez por causa dos estudos. Ou ainda talvez por causa do assalto. Enfim, aconteceram (e ainda estão acontecendo) tantas coisas ultimamente que não tenho tempo pra fazer o que mais gosto: escrever.

Mas uma coisa que não posso deixar de dizer aqui é algo que realmente está acontecendo direto comigo. Sim, presencio cada vez mais as pessoas que cruzam o meu caminho acharem que são Deus. Até quando elas vão levar essa vidinha delas achando que são superiores e maiorais porque têm uma posição hierárquica maior? Bem, na minha humilde opinião, acho que essas pessoas deveriam abrir os olhos, pois a vida é curta. Sim, um dia ela morrerá, e levará com ela esse orgulho, essa prepotência e essa arrogância para os vermes comerem. Sim, vermes, míseros vermes. E quando isso acontecer, milhares de pessoas pisarão – literalmente – em cima dela.

Bem, mas tem um lado positivo. Vendo essas pessoas, aprendo a não ser igual a elas. Aprendo a ver que quanto mais arrogante, menos querida será essa pessoa. Quanto mais orgulhosa, menos vai aprender, e, consequentemente, mais erros cometerá.

Pense duas vezes antes de pisar em alguém. Pense duas vezes antes de gritar com alguém. Pense duas vezes antes de humilhar alguém. Quanto mais mágoas você causar, maior será sua dívida. Sua consciência – se é que você tem uma – irá cobrar na hora certa, onde você se encontrará encurralado sem saber o que fazer. Só tome cuidado para não se matar, porque, se você é baixo a ponto de humilhar alguém só porque acha que é Deus, não duvido que seja baixo para tirar sua própria vida quando a coisa realmente apertar.

E uma novidade: ninguém te revenciará por imposição, mas sim por conquista. Portanto, não imponha respeito, conquiste-o.

Valeuzão Ariel! Depois te conto certinho como que esse post veio no momento exato pra eu não explodir aqui…

Fuiz…





Estou perdendo algo?

1 12 2007

Sabe algo que eu freqüentemente sinto quando estou navegando pelo Orkut e vendo as fotos dos meus amigos? Sinto que eu estou perdendo algumas coisas… Ao ver todo mundo saindo e tirando fotos juntos, o pessoal que eu conheço há anos se divertindo, eu penso que eu poderia estar lá, me divertindo com eles… Da um certo aperto saber que, enquanto estão todos em São Paulo, eu estou aqui confinado numa cidadezinha do interior…

Claro, confinado não é a palavra certa, já que eu não me sinto preso nem nada… E eu gosto daqui, apesar de tudo isso, mas o problema é que eu estou longe, e isso não é legal… Eu sei que tenho ótimos amigos lá em São Paulo e que, se eu estivesse por lá, eles me chamariam pra nos divertimos juntos… Mas vamos ser realistas: eu não estou, então o que pode ser feito?

Sim, existe uma coisa… Passar logo de ano, não ficar enrolando com as DPs e ser rápido! Quanto mais rápido eu acabar o que tenho pra fazer em Lins, mais cedo eu chego em São Paulo! E já avisei pra todo mundo que nós vamos sair como se não houvesse amanhã!

É… uma das desvantagens de morar longe… =/

@ Silverchair – The Greatest View

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA






Sem internet…

29 09 2007

Pela quinta vez, meu modem queimou…
Desculpem o palavreado, mas, puta merda, como eu sou azarado com modem! Poxa, eu já fico usando só conexão discada, que é uma porcaria, e ainda vem e acontece uma dessas comigo?? Ahh, pelo amor de Deus….

Hoje choveu aqui… Caiu um raio aqui por perto (não sei onde, pode até ter sido aqui em casa mesmo) e meu estabilizador “piscou”, fazendo assim com que meu computador reiniciasse. Ótimo, meu estabilizador funcionou e não deixou a maldita corrente alterada passar pro computador (com um preço: o LED dele queimou… nunca vi LED queimar…) mas se a corrente nem chegou no computador, por que o maldito modem pifou? ARGH, eu não entendo isso…

[Batiman]
Merda, saco, merda… Vô embora daqui… Saco… Merda!
[/Batiman]

Bom, mudando de assunto… O Blogger não me avisou dos comentários novos do post anterior! O do Ariel e o do Zé! Poxa, só fui ler agora! 😄
Ariel, larga mão de se achar em Português! (Falou quem nem se acha de computação XDD)
E eu não entendi o comentário do Zé sobre o Linux… Err… *se sentindo bÚrro*
E falando em Zé, ele já tem um marcador próprio! VIVA!!! IAUEHAIEHIAEHIAE

(relendo o comentário do Ariel, eu achei a palavra LINUX… *se sentindo bÚrro e, agora, lerdo*)

Bom, de qualquer maneira, hoje fiz prova de Laboratório de Fundamentos da Computação! Exercício único, programa enorme, uma tortura. Mas eu fiz! E com louvor! Claro, como o professor não entende nada do que a gente faz, não espero um 10 (embora tenha certeza que consegui um), mas se ele me vier com um 7 ou 7,5 eu vou chiar! Ah se vou! ò.Ó

Ahh sim… Ariel, estou completamente perdido nos meus horários, Epiriquidiberto tá meio difícil… E eu gosto do seu jeito de escrever, você tem umas tiradas boas com ele! ;D Eu ajudo você na história, e você escreve, se você topar… =)

Bom, agora vou sair… Minha tia vai dormir, e eu tô no PC dela (já que a merda do meu modem queimou ¬¬”)…

Um abraço a todos…
Fiquem longe do desânimo, não é legal =P





Pra você que comentou…

14 09 2007

Olá srta. Anônima que comentou no blog, tudo bom? Senhorita, pois você disse “queridinho” e nenhum homem costuma dizer isso para outro (a não ser talvez um anônimo, mas isso indicaria que você poderia ser um homem também…) ARGH Deixa pra lá, isso não vem ao caso…

Antes de tudo quero dizer uma coisa: muito obrigado! Sim, por tudo: por você ter comentado, e principalmente, por você ter me criticado! Eu não sou daquele tipo de pessoa que, quando criticada, resolve sair batendo em tudo, não… Eu uso críticas para eu poder melhorar o meu jeito de ser, e então tornar a minha presença perto das outras pessoas agradável! =D

Mas, por favor, deixe-me explicar um pouco melhor minha situação quanto ao post que você comentou…

Eu sou uma pessoa incrivelmente frustada no quesito “amor”, “paixão”, “mulheres” ou como queira chamar… Se eu te contasse um resumo de minha vida amorosa, você simplesmente não acreditaria. Mesmo.

Eu passei 18 anos da minha vida agindo de uma maneira que eu pensei ser a correta em relação à isso… Até hoje não vi frutos disso e, graças a isso, esse ano resolvi mudar o meu jeito de lidar com essas coisas. Por favor, se você realmente acha que estou indo para um caminho pior, me avise!

Em São Paulo, eu tinha várias amigas… Ainda tenho, mas o que eu quis dizer é que eu tive que deixá-las para vir estudar… E sabe aquela frase que dizem “Você só percebe a importância daquilo que tem quando você o perde”? Pois então, ela se encaixa perfeitamente nisso… Aqui em Lins só tenho amigos, é raro eu ter alguma conversa com uma garota. E não falo isso por querer ter um “algo mais” com alguém, não… Não sou tarado… Falo isso porque conversar com uma mulher é muito diferente do que conversar com homens! Homens ao lado de homens só tem dois assuntos: mulheres e futebol. Eu sei disso e posso comprovar, eu sou homem! E como futebol não é muito meu agrado, só resta um assunto a conversar com meus amigos: mulheres.

E isso cansa. Tem uma hora que cansa, falar só de mulher. Mulher é mulher, tem um monte no mundo, igual homem! Eu acho meio ridículo essa “fixação” que alguns homens tem por mulheres, eu não consigo ter isso… O que eu faço é me interessar por uma, por outra e aí eu vou tentando alguma coisa (que na grande maioria das vezes nunca dá certo)… Não sou muito de “atirar para todos os lados”… (Falando em “atirar”, eu entendo seu comentário que mulher não se caça, e devo admitir que aquele meu comentário foi incrivelmente infeliz, me desculpe…)

Então, já que os homens só tem isso na cabeça, me resta uma única saída: uma amiga! Aquela que eu possa contar de tudo, conversar sobre tudo, e me desabafar de tudo. Aquela que quando você está mal com alguma coisa, ela não fique te zoando ou te chamando de viado. Aquela que você pode abraçar quantas vezes precisar e que ela sabe que aquilo é só uma demostração de carinho… Entende meu ponto de vista? E do mesmo jeito que eu tenho essas super amigas em São Paulo, eu também desejo ter aqui em Lins… E pra fazer isso, eu tenho que antes, conhecê-la, certo?

Agora, tenho umas coisas para te perguntar e pedir… Posso concordar com você que meus pensamentos são confusos, mas eu não entendi o fato de ser egocêntrico… Onde você acha que eu fui egocêntrico? Eu aprendi que devemos primeiro cuidar de nossas próprias vidas antes de cuidar da vida dos outros (e eu aprendi isso da pior maneira que se possa imaginar), pois ninguém desse mundo vai se importar tanto com você quanto você mesmo. Se você não se corrigir, ninguém vai… Pelo menos é assim que eu penso…

E outra coisa… Não fale que meus pais não estão interessados em minha educação, isso é mentira, e isso me ofendeu. Meus pais estão longe e é difícil passar um longo período de tempo longe deles. Toda a educação que recebi foi deles, e devo dizer que não podia desejar uma educação melhor. Agora, o fato de eu pensar de determinada maneira sobre determinada coisa, não são eles que decidem, sou eu. Achei incorreto seu comentário sobre meus pais não estarem interessados em minha educação. Não são eles que pensam por mim, isso me ofende.

E eu sei que tenho muito a aprender, mas não sou só eu. Eu acho que ninguém está exluído dessa “lista”… E isso inclui tanto a mim quanto a você. Se você sabe mais sobre isso do que eu, ótimo, me ensine pois estou disposto a aprender se você estiver disposta a ensinar. Mas do mesmo jeito, eu acho que sei mais coisa sobre outros assuntos do que você. E da mesma maneira eu estou disposto e te ensinar, se você estiver disposta a aprender.

Por último, não poste como Anônimo, a primeira imagem que me vêm na cabeça sobre essas pessoas é a covardia, mesmo que você não seja assim… Eu não tenho medo de expressar o que penso/sinto para ninguém… O exemplo disso é esse blog, um livro aberto pra quem quiser ler.

E por favor, continue lendo e comentando, se possível. Gosto de críticas! ;D Se quiser pode continuar postando como Anônimo, mas como eu disse, preferiria que não. Mas a escolha é sua, naturalmente.

Um abraço de seu conterrâneo linense…
Pois eu sei que você é de Lins… 😉 E tenho meus palpites de quem pode ser…